6 . COMA

Coma

As alterações do nível de consciência variam de uma confusão mental até coma profundo. Na prática, é útil classificar em subcategorias pacientes com alteração do nível de consciência de acordo com o estágio em que ele se encontre, sendo importante registrar as respostas do paciente aos vários estímulos realizados. As subcategorias de alteração do nível de consciência são:

● Confusão – incapacidade de manter uma linha de pensamento ou ação coerente com desorientação no tempo e no espaço.

● Sonolência – dificuldade de se manter em alerta.

● Estupor – dificuldade de despertar, resposta incompleta aos estímulos dolorosos e verbais. Com respostas motoras adequadas.

● Coma superficial – respostas motoras desorganizadas aos estímulos dolorosos, não apresenta resposta de despertar.

● Coma profundo – completa falta de resposta a quaisquer estímulo.

As principais causas de alteração de consciência são divididas em :

 ● Primárias do cérebro

○ Trauma;

○ Doença cerebrovascular – AVC;

○ Infecções (meningites, encefalites, etc.);

○ Neoplasias;

○ Convulsões.

● Sistêmicas ou secundárias

○ Metabólicas (hipoglicemia, cetoacidose diabética, distúrbio do cálcio, etc.);

○ Encefalopatias hipóxicas (insuficiência cardíaca congestiva, doença pulmonar obstrutiva, etc.);

○ Intoxicações (drogas, álcool, monóxido de carbono, etc.);

○ Causas físicas (insolação, hipotermia);

○ Estados carenciais. No atendimento a uma vítima inconsciente o socorrista deve proceder de forma ordenada e sistemática monitorando os sinais vitais no sentido de impedir a progressão da lesão neurológica.

● Colher uma história rápida – doenças prévias, medicações, alcoolismo, uso de drogas, trauma, etc.

● Realizar exame físico com atenção especial aos seguintes aspectos:

● Sinais vitais:

○ Pele – sinais de trauma, de picadas de agulha, insuficiência vascular ○ cabeça – sinais de trauma craniano, rigidez de nuca ○ hálito – alcoólico, diabético, etc.

● Exame neurológico – avaliar nível de consciência, pupilas, escala de coma de Glasgow.

6.1. Atendimento de Emergência no Pré-hospitalar

 ● Manter vias aéreas pérvias – cânula de guedel;

● Mantê-la confortável, em repouso absoluto;

● Conservar o calor corporal;

● Se o médico não estiver presente, reporte ao médico coordenador a história com os dados vitais da vítima e aguarde instruções;

● Transporte imediatamente, de forma cuidadosa, ao hospital previamente avisado da chegada da vítima. Se não houver evidência de trauma, transportar a vítima em decúbito lateral.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: